A Escola Monteiro completou 50 anos de história focada na expansão do ser humano, na valorização da individualidade e no incentivo ao crescimento dos alunos de forma ética, honesta e humanizada.

Em 1969, ano de sua fundação, o Brasil vivia uma etapa de grande insegurança política com um governo que reprimia qualquer forma de manifestação de ideias libertárias.

Surgiram, então, em diversas cidades do Brasil, o desejo de se criar um espaço onde a criação não seja cerceada e que as crianças possam vislumbrar, através da decodificação de símbolos, a possibilidade de existência de uma sociedade mais participativa.

Este espaço apareceu sob a forma de Escolinha de Arte, onde a educação, de maneira alternativa, podia experimentar novos jeitos que privilegiassem a livre expressão na comunicação e como forma de documentação da construção de personalidades.

É preciso lembrar que a arte é uma linguagem. A maneira de produzir das crianças pode ser “lida” e explicada dependendo da forma com que se comunica. O efeito do processo de produção é refletido na própria arte como um meio de se decodificar o que está inserido na obra.

Foi com esta base que surgiu a Escolinha de Arte “O Pica-pau”, em 1969, a princípio, instalada na Rua Chapot Presvot, Praia do Canto, Vitória.

Em seu primeiro ano de funcionamento, a procura foi, basicamente, de crianças de 2 e 3 anos, evidenciando a necessidade de criação de uma pré-escola, que, com o mesmo perfil e com a mesma forma de privilegiar a expressão livre e o trânsito entre os diversos níveis da comunidade escolar, começou a funcionar em 1970.

Na busca por sempre atender às famílias que procuravam uma continuidade de ensino-aprendizagem que trouxesse, em seu bojo, os ideais de liberdade e de uma proposta de construção do sujeito autônomo, reflexivo e crítico, foi criada, em 1975, a 1ª série, e, mais tarde, em 1980, a 5ª série, culminando na criação do 2º Grau, em 1998, completando, assim, o Ciclo do Ensino Básico.

Durante todos esses anos de atuação, a Escola contou com influências de pessoas com formações variadas, que contribuíram para a maneira com a qual a Instituição de Ensino foi sendo construída. Este aspecto é uma característica da Monteiro, que não se fecha a contribuições. Manter sua linha mestra e identidade é algo que a torna uma referência no que a própria Escola levanta como meta de desenvolvimento daqueles que vêm a participar de sua comunidade.

MISSÃO

Desenvolver protagonistas
de um mundo melhor.

VISÃO

Ser referência em educação
sistêmica no Estado.

VALORES

Humanismo, empreendedorismo
e sustentabilidade.

A Escola Monteiro completou 50 anos de história focada na expansão do ser humano, na valorização da individualidade e no incentivo ao crescimento dos alunos de forma ética, honesta e humanizada.

Em 1969, ano de sua fundação, o Brasil vivia uma etapa de grande insegurança política com um governo que reprimia qualquer forma de manifestação de ideias libertárias.

Surgiram, então, em diversas cidades do Brasil, o desejo de se criar um espaço onde a criação não seja cerceada e que as crianças possam vislumbrar, através da decodificação de símbolos, a possibilidade de existência de uma sociedade mais participativa.

Este espaço apareceu sob a forma de Escolinha de Arte, onde a educação, de maneira alternativa, podia experimentar novos jeitos que privilegiassem a livre expressão na comunicação e como forma de documentação da construção de personalidades.

É preciso lembrar que a arte é uma linguagem. A maneira de produzir das crianças pode ser “lida” e explicada dependendo da forma com que se comunica. O efeito do processo de produção é refletido na própria arte como um meio de se decodificar o que está inserido na obra.

Foi com esta base que surgiu a Escolinha de Arte “O Pica-pau”, em 1969, a princípio, instalada na Rua Chapot Presvot, Praia do Canto, Vitória.

Em seu primeiro ano de funcionamento, a procura foi, basicamente, de crianças de 2 e 3 anos, evidenciando a necessidade de criação de uma pré-escola, que, com o mesmo perfil e com a mesma forma de privilegiar a expressão livre e o trânsito entre os diversos níveis da comunidade escolar, começou a funcionar em 1970.

Na busca por sempre atender às famílias que procuravam uma continuidade de ensino-aprendizagem que trouxesse, em seu bojo, os ideais de liberdade e de uma proposta de construção do sujeito autônomo, reflexivo e crítico, foi criada, em 1975, a 1ª série, e, mais tarde, em 1980, a 5ª série, culminando na criação do 2º Grau, em 1998, completando, assim, o Ciclo do Ensino Básico.

Durante todos esses anos de atuação, a Escola contou com influências de pessoas com formações variadas, que contribuíram para a maneira com a qual a Instituição de Ensino foi sendo construída. Este aspecto é uma característica da Monteiro, que não se fecha a contribuições. Manter sua linha mestra e identidade é algo que a torna uma referência no que a própria Escola levanta como meta de desenvolvimento daqueles que vêm a participar de sua comunidade.

MISSÃO

Desenvolver protagonistas
de um mundo melhor.

VISÃO

Ser referência em educação
sistêmica no Estado.

VALORES

Humanismo, empreendedorismo
e sustentabilidade.