Há aproximadamente cinco anos, a Escola Monteiro promove a doação de livros atrelada ao Escambo Literário. A iniciativa consiste na troca de livros entre os/as estudantes durante a Semana Cultural. 

Marina Cunico e parte das doações de livros de 2021. Foto: Talita Vieira/Divulgação

Devido aos protocolos de biossegurança, não houve Escambo Literário em 2020 e nem neste ano. Todavia, a arrecadação de livros não deixou de acontecer: Marina Cunico (15), ativista social desde os cinco anos e aluna recente do Ensino Médio, foi a algumas salas para conversar com colegas de diferentes turmas a fim de incentivar a doação desses materiais.

A campanha de doação de livros aconteceu de maio até meados de junho, contando com o engajamento de muitos/as estudantes, que se mostraram empolgados/as em compartilhar cultura e conhecimento por meio de uma ação solidária. “Conseguimos doações de alunos/as que afirmaram ter muitos livros para doar, e que isso dificultava a transportação dos materiais até a Escola. Eles/as, inclusive, perguntaram se eu não poderia buscar os livros. Os/as alunos/as menores, do Fundamental I, ficaram muito animados/as quando eu fui até as salas falar sobre esse projeto”, conta Marina.

A ideia de realizar a campanha em 2021, para ajudar instituições e comunidades sem condições econômicas para adquirir livros, surgiu da vontade da estudante de envolver toda a comunidade escolar em seus projetos e ações sociais. “Eu sou ativista social há dez anos, trabalhando com várias áreas dentro desse ativismo. Eu e a Luma, nossa bibliotecária, tivemos a ideia de realizar essa campanha após observarmos que muitos/as alunos/as queriam doar outros materiais além de livros, este ano. Existem muitas comunidades em que as crianças adoram ler, têm muito interesse, mas não possuem dinheiro para comprar seus próprios livros. E, como defensora da educação, considero a leitura essencial para o desenvolvimento das pessoas”.

Marina já lançou um livro infantil inclusivo, intitulado “Minha Vida”. Foto: Marina Cunico/Acervo pessoal

Os livros arrecadados são destinados à Fundação Beneficente Praia do Canto, Serenata Canto Coral, Rua do Céu e ao Projeto Mais Amor.

Literatura inclusiva e uma vida voltada a ajudar o próximo

A mãe de Marina, Fabiana Franco, é doutora em Comunicação e ex-aluna da Monteiro. Ela conta que a filha já recebeu prêmios e foi a primeira criança a lançar um livro inclusivo no País. Intitulado “Minha Vida”, o livro escrito pela ativista social é adaptado a deficientes auditivos e visuais. Toda a renda arrecadada com as vendas é revertida a causas sociais.

Escola Monteiro – uma formação humanizada e cidadã

A Monteiro visa proporcionar uma formação mais humanizada e, consequentemente, que estimula a cidadania nos/as estudantes, assim como o senso de coletividade e a solidariedade. Marina conta que, ao procurar uma escola para estudar, este ano, encontrou na Monteiro uma instituição de ensino alinhada com seus valores pessoais: “É uma escola que tem esse lado da preocupação e do cuidado social. Eu procurava por uma instituição de ensino que pudesse abraçar o que eu faço, e é muito legal poder envolver meus/minhas colegas nisso, além de contar com o apoio de toda a comunidade escolar. No pouco tempo em que eu estou aqui, já pude observar não apenas o incentivo da Escola, mas a inclinação e o envolvimento dos/as alunos/as e colaboradores/as em iniciativas como essa”.

Nas palavras da aluna: “Essa escola é diferente. É diferente podermos nos dedicar dessa maneira a uma causa social. Sinto que isso acaba nos aproximando ainda mais da própria Escola”.

Talita Vieira.

Matérias relacionadas