Antônio Carlos Félix das Neves, psicólogo, psicanalista e pai de alunos da Monteiro. Foto: Acervo pessoal/Divulgação

Com o intuito de esclarecer às famílias da Monteiro sobre como a relação entre o casal parental pode influenciar no desenvolvimento e no comportamento das crianças e adolescentes, a Escola de Pais da Monteiro convidou Antônio Carlos Félix das Neves – psicólogo, psicanalista, membro da Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória e pai de alunos – para abordar o tema “A criança no desejo dos pais”.

No encontro on-line, que aconteceu no dia 29 de abril, o psicanalista contextualizou as construções sociais e psicológicas de “pai” e de “mãe” para os participantes da palestra. Neste momento inicial, ele provocou reflexões a partir da obra Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, para falar sobre a relação da mãe com a criança e do desejo das mulheres.

Ao usar o psicanalista Lacan como uma de suas referências, Antônio Carlos explicou que a mãe funda o lugar do pai quando não se apresenta toda para seu/sua filho/a, quando não tenta ser toda suficiente para ele/a. Desse modo, a mãe não-toda deixa um lugar vazio para o pai entrar, à própria maneira. Destacou ainda que a maneira como a mãe lida com a feminilidade, sua posição de mulher frente ao parceiro, introduz um enigma para a criança: “o que essa mãe quer de mim para além de mim, quando seu olhar brilha para meu pai?”. O pai, por sua vez, ao abordar a mãe como mulher, tira a criança do lugar de puro objeto de seus caprichos.  

Quando, então, a conjugalidade – o homem e mulher – não se encontra minimamente referendada na dinâmica familiar, pode acontecer que a criança fique capturada no desejo de um dos parceiros. Capturada, a criança, para “respirar”, cria sintomas como maneiras de se defender de ser objeto desses caprichos. Assim, apesar de trazer sofrimentos aos filhos, os sintomas são, paradoxalmente, uma maneira de se proteger dos excessos dos cuidados parentais.        

A exposição do assunto despertou o interesse das famílias, que participaram com perguntas, fizeram reflexões e interagiram umas com as outras e com o profissional, em um leve e rico bate-papo.

“Não existe relação perfeita. É realmente difícil lidar com filhos e com o/a parceiro/a enquanto casal. O importante é não se culpabilizar por certos comportamentos, refletir e contribuir para que a relação possa ficar melhor”, ponderou o psicanalista. Nos minutos finais, ele ainda elogiou o encontro virtual, que inaugurou a Escola de Pais em 2021: “As iniciativas da Monteiro são sempre frutíferas – discutem temáticas da relação humana, que é complexa”. 

Em entrevista à Comunicação Monteiro, Antônio Carlos fala sobre o convite e a abertura ao diálogo enquanto pai de alunos. Para ele, a humanização é um dos traços mais marcantes da Escola: “A Monteiro investe na relação com as famílias, pois volta o olhar para questões como essa. Convida para conversar, levando em consideração nossos aspectos emocionais e afetivos”. 

Clique aqui e assista às considerações do psicanalista sobre “a criança no desejo dos pais”. 

Talita Vieira.

Matérias relacionadas