A revista “Turma dos Gatos” vem fazendo sucesso na Monteiro. Foto: Talita Vieira/ Divulgação

Aos 10 anos, Isabela Feliciano, aluna do 4º ano, gostou tanto dos estudos do trimestre em Língua Portuguesa que resolveu criar suas próprias revistas de histórias em quadrinhos. “A ideia surgiu quando a gente estava na aula e eu vi que o personagem apresentado em uma questão fazia revistinhas. Eu gostei da ideia e me inspirei, achei fácil e comecei a fazer minhas próprias revistas. Eu também gosto muito da Turma da Mônica”, conta. 

Ao criar as histórias, Isabela pensa nos anúncios publicitários. Foto: Talita Vieira/ Divulgação

Após a escrita das histórias, a mãe da aluna digitaliza o material, imprime e faz cópias das revistas em casa. Com duas edições já finalizadas e distribuídas entre colegas e colaboradores/as da Monteiro, Isabela escolheu como protagonista um gato, seu animal preferido. Em meio à história, o/a leitor/a ainda se depara com anúncios fictícios – outro elemento que demonstra o talento de Isabela para a comunicação. Além da narrativa em si, as ilustrações e a “diagramação” também são feitas pela aluna.

A produção independente da estudante vem conquistando cada vez mais leitores/as e admiradores/as entre a comunidade escolar, incluindo sua professora, Karla Muruce: “Isabela já se mostra uma pequena grande escritora! Ela possui sensibilidade e capacidade de escuta notáveis, sempre atenta aos acontecimentos, além de uma criatividade capaz de indicar que ela obterá sucesso nas suas escolhas futuras. Certamente, isso afetará positivamente todos/as que estiverem à sua volta”.

Protagonistas da própria história

Segundo Isabela, a criação de suas revistinhas é um hobby e não tem ligação com a área profissional na qual deseja trabalhar quando for adulta. No entanto, a estudante pensa em produzir mais edições e distribuí-las para outras turmas. Como incentivo, ela relata já ter ouvido a frase “te vejo na noite de autógrafos”, dita por uma professora.

Semelhantemente à aluna, muitos/as outros/as estudantes da Monteiro possuem seus talentos, hobbies e projetos, como a Laura Locatel, a Marina Cunico e a Valentina Schuwartz.

Na Escola, a individualidade, habilidades e autonomia de cada um/a são abraçadas, estimuladas e potencializadas. Todos os membros da comunidade escolar veem os valores da Escola aplicados ao cotidiano, em atividades e práticas – pedagógicas e relacionais – que demonstram a valorização de cada indivíduo. 

A partir da autonomia e do envolvimento de Isabela com os estudos em Língua Portuguesa, a professora Karla constata: “Penso que esse é o verdadeiro sentido do protagonismo do/a estudante. O estímulo e o incentivo que a Monteiro oferece foi ao encontro das características da aluna a partir do que foi desenvolvido em sala de aula. A proposta pedagógica estimula os/as alunos/as a pensar de forma inventiva e original, a criar e ‘sair da caixa’, para que possam construir conhecimento de forma mais significativa. Na Monteiro, os/as alunos/as são os/as protagonistas da própria história”.

 

Talita Vieira.

Matérias relacionadas